Bike para todos

14/03/2019
por SeMexe Admin

A SeMexe, plataforma onde apaixonados por bike compram e vendem com segurança, é possível encontrar todo tipo de bicicleta. Entenda as diferenças e escolha a sua

A bicicleta é uma das melhores invenções da humanidade. Desde o modelo Draisiana de 1816 até os dias de hoje acompanhamos muita evolução sobre duas rodas. Atualmente, quando olhamos para a quantidade de opções de bikes e modelos, muitas vezes, nos perguntamos qual é o tipo ideal para aquilo que precisamos.

“Existem dezenas de modelos para cada tipo de modalidade, nossa missão é educar o ciclista para que ele possa encontrar aquilo que esteja procurando e satisfazer suas necessidades” - explica Gabriel Novais da SeMexe, marketplace onde apaixonados por bike compram e vendem com total segurança.

Na lista da SeMexe, por exemplo, são 14 categorias de bicicletas, por isso conheça os principais tipos de bikes e suas mil formas de pedalar:



Infantil

É o primeiro contato de uma pessoa com a bicicleta ou pelo menos deveria acontecer nessa fase. O nome já indica que são bicicletas para crianças, que variam entre bicicletas de equilíbrio (balance bike) e bikes inicialmente com rodinhas aro 12, 16, 20 e aro 24. Diferente do que algumas marcas e muitos pais pensam, a bicicleta infantil não é um brinquedo. E claro que é um equipamento para brincar e diversão, mas a bike infantil adequada precisa garantir segurança em 1º lugar. Ou seja, as peças precisam ter o mínimo de regulagem para acomodar a criança, como o selim e o guidão, e um freio que funcione. Antes de comprar, verifique os componentes conforme as dicas acima do que somente escolher o modelo pelo personagem preferido da criança.




MTB

Bicicleta de montanha, bicicleta para todo terreno, Mountain Bike… chame como quiser, o fato é que este tipo de bike que ganhou notoriedade a partir dos anos 90, tornando-se as mais populares pela capacidade de levar o ciclista literalmente para junto a natureza. Podemos dividir as mountain bikes nas seguintes subcategorias.

Trilha - Nomenclaturas como trail bike e all mountain podem ser entendidas simplesmente como bicicletas para trilhas. Elas estão disponíveis desde faixa de valor de “entrada” - rígida ou apenas com suspensão dianteira, um quadro mais simples com tubulação em alumínio e peças básicas para assegurar um passeio com conforto. Uma MTB de entrada pode custar de 2 a 5 mil reais. Bikes de trilha mais sofisticadas oferecem sistema de amortecimento integral, freios a disco e componentes mais leves para o máximo rendimento e baixo peso (como a tubulação de carbono), preservando a capacidade robusta para a melhor experiência na montanha, com valores que podem passar dos 20 mil reais.




Cross Country/ Maratonas - E uma subcategoria de MTB bastante difundida no Brasil, em que caracterizaram-se por bikes com apenas a suspensão dianteira ou amortecimento integral, com curso de amortecimento de até 100mm. São bikes concebidas para serem leves, rápidas e eficientes, sacrificando o conforto. Ou seja, alto rendimento sob todos os aspectos.




Enduro - As bikes de Enduro já são projetadas para garantir rendimento tanto nas descidas como subidas, isto é, tem modelos em que até é possível alterar a geometria, como a Scott Genius. Com as mesmas características de um bike de trilha sofisticada, o equipamento para Enduro geralmente tem e acessórios para facilitar a vida do piloto em quaisquer condições, como um canote retrátil. Valor a partir de 10 mil reais.

“Basicamente uma bike de Enduro é o meio do caminho de uma bike de cross country e Downhill. Ela vai pra qualquer lugar que uma XC chega e desce qualquer lugar que uma downhilleira passa. Ou seja, uma bike de Enduro sobe muito bem e desce bem. Seria uma bike híbrida pra off-road. Em termos de componentes, a Enduro usa o canote retrátil e o kit da transmissão de 12v, o mesmo de uma bike com DNA de XC. Ela usa freios e pneus de Downhill. Guidão, Pedivela, selim de carbono como de uma XC para garantir eficiência e o unir o melhor dos dois mundos. Quanto ao sistema de suspensão, apenas pra contextualizar, uma bike de XC oferece 100mm de curso, uma Enduro de 140-170mm de curso e uma DH são 200mm de curso” - comenta André Bretas, único piloto brasileiro no circuito mundial de Enduro (EWS).




Downhill - Projetadas para descidas, essas bikes são quase que uma moto de cross sem motor. Dona de uma geometria relaxada, quadro reforçado, suspensão integral de curso longo, transmissão simplificada e freios potentes. Elas aproveitam muito bem da gravidade para ganhar velocidade e geralmente tem uma capacidade baixa ou quase nula na eficiência da pedalada morro acima. É um estilo de bike bastante específico com preços a partir de 10 mil reais.




Estrada

Projetadas para andar no asfalto em velocidade também são conhecidas como estradeiras ou speed (velocidade). As clássicas tem rodas tamanho aro 700, grupo de transmissão com até 20 velocidades e componentes leves e aerodinâmicos para promoverem a máxima velocidade. Este tipo de bike ganhou diversas variações, como aero, gravel, fixa, ciclocross, entre outras.




Trial ou Pista - São bikes super aerodinâmicas e, minimalistas. As bicicletas de time trial ou contrarrelógio tem menos marchas e guidão clipe para manter o ciclista numa posição agressiva e gerar menos resistência contra o vento. Já os modelos de pista, seguem as mesmas características, com exceção da transmissão, já que sao monomarcha e não possuem freios.

Fixa - As bicicletas fixas são uma adaptação das bikes de pista, sem freio e transmissão monomarcha fixa, ou seja, não é possível parar de pedalar (roda livre) enquanto a bike está em movimento. Este tipo de modelo ganhou notoriedade entre os ciclistas urbanos mais progressistas. No entanto, nao sao bikes aerodinâmicas, tão pouco de materiais super leves, pelo contrário, são bikes de materiais mais resistentes.




Gravel e Ciclocross - Bikes de estrada com capacidade e recursos para desempenharem por terrenos off-road e terrenos acidentados. E um tipo de bike que vem popularizando-se entre os ciclistas que gostam de pedalar em velocidade por estradas rurais ou buscam um equipamento mais resistente para evitar furos de pneus por exemplo, já que elas oferecem maior espaçamento para passagem das rodas sendo possível usar pneus mais largos e robustos. E também a escolha preferida pelos cicloviajantes.

"É uma bike completa. Diria que é a bike mais bombril que já tive. Hoje quando penso em viajar, a bike que escolho é a Gravel. Porque sei que posso pedalar com o pessoal da estrada e com o pessoal do mountain bike. Se eu quiser conhecer uma região, ela é uma bike prática para cumprir distâncias maiores. Quando normalmente vamos pra um local novo acabamos conhecendo as estradas de terra, que estão capeadas, do que explorar trilhas desconhecidas que muitas vezes temos que dar meia volta. Por isso a Gravel é muito versátil pra quem gosta de estrada e MTB, no fundo para quem gosta de andar de bicicleta. É uma bike que impressiona as duas tribos: a galera que voa na estrada a 40 km/h e do MTB, em que sofro um pouco nas descidas técnicas, mas consigo acompanhar e andar forte com o pelotão nas subidas e planos. Além disso é uma bicicleta que tem a manutenção simples por ter uma coroa na frente e somente o câmbio traseiro. Enfim, é uma bike que chama atenção, é curiosa e gera prazer” - comenta Mario Roma, fundador da Brasil Ride, que promove a 1ª Gravel Race do Brasil no dia 27 de abril em Botucatu (SP).




Triathlon

Talvez seja a categoria mais específica do ciclismo, é um tipo de bike que exige leveza, aerodinâmica e respostas rápidas, além disso precisa oferecer uma gama de opções de ajustes para longas pedaladas, como provas de Ironman com percursos de 180km de distância. A configuração do guidao clipe e ajuste do selim são mandatórios para assegurar o alto rendimento do atleta. Uma bike de Triathlon é não para iniciantes, a dica para quem quiser começar na modalidade é utilizar uma speed mais simples ou uma bike de Triathlon usada, como o modelo abaixo, e ir evoluindo o equipamento conforme sua experiência no esporte.




Vintage

Bikes antigas e clássicas de qualquer estilo se enquadram como Vintage, Retrô, custom... obviamente quando bem cuidadas e conservadas. As mais conhecidas são bikes de passeio com pneus finos, como as Pashley, Velorbis e até modelo como a Caloi 10 são referenciadas entre os ciclistas mais nostálgicos. Inclusive alguns eventos dedicados ao estilo Vintage estão em alta, como o Giro Vecchio.




Urbanas


Este tipo de bicicleta para uso urbano tem algumas características peculiares. Algumas marcas batizam como híbridas ou fitness, em que a combina elementos das estradeiras e do MTB. Algumas características são os pneus finos com rodas aro 700 que favorecem a velocidade e fácil rolamento, enquanto que, somado a geometria mais confortável do MTB, ajuda a melhorar a maneabilidade da condução.

Outros estilos de bikes destinadas aos cenários das cidades são as dobráveis, que facilita o desmonte para carregar na integração com outros meios de transporte, podendo ser encontrada com diversas configurações de tamanhos de rodas. Outro modelo que vem ganhando destaque são as minivelos, estilo de bike que caracteriza-se por possuir rodas tamanho aro 20, pilotagem rápida e simplificado de equipamentos. Vale lembrar que os acessórios como paralamas e sistemas de iluminação são itens essenciais para os deslocamentos urbanos.




Elétrica

É uma categoria que vem ganhando mais modelos e adeptos. As e-bikes, na verdade, oferecem um sistema de motor elétrico para dar uma assistência a pedalada. Este tipo de bike é chamada também de Pedalec, com impulso do motor aliviando cada pedalada. As e-bikes também chegaram ao MTB, aumentando a acessibilidade das pessoas para passeios nas montanhas. Ainda estão à disposição Kits para transformar uma bike convencional em e-bike, como sistema embutidos nas rodas, por exemplo. Uma e-bike de boa qualidade tem o valor a partir dos 4 mil reais.




BMX

As BMXs ou Bicicross caracterizam-se por serem bicicletas com rodas tamanho aro 20 ou aro 24, está última classificadas como “cruisers”. Elas são projetadas para competições em pistas tipo “race” e freestyle (park, street, flatland, dirt jump). Dentro dessas modalidades, as bikes para BMX diferenciam-se de acordo com suas finalidades, ou seja no desenho da geometria, acessórios ou estrutura reforçada para saltos e manobras.




Fat Bikes

Um modelo que vem ganhando espaço é a Fat Bike. O Brasil é um país com milhares de quilômetros de costa litorânea e muitas regiões de dunas, com isso essas bikes projetadas inicialmente para neve também encontraram seu habitat ideal no país tropical.

"Considero a bike mais versátil para todo tipo de terreno, literalmente, desde neve, dunas, trilhas e lamas, pois como ela tem o pneu muito largo (4.0 - 4.8 polegadas) ela oferece ótima tração onde outras MTB não conseguem andar. Até nas descidas, ela oferece um ótimo controle. O diferencial mesmo são as rodas, em que todo o quadro, garfo e componentes sejam adaptados para receber esses pneus largos" - explica Normando Pereira, um dos pioneiros no uso de Fat Bike no Brasil.


Sobre a SeMexe

Muito mais do que um Marketplace. Somos uma marca do esporte, que pensa na credibilidade com atletas e profissionais e ao mesmo tempo entende o que amadores e entusiastas querem. Acreditamos que lucro é apenas uma das consequências e que nossa missão é levar o esporte para mais pessoas e aumentar o tempo de vida de itens esportivos incentivando a economia colaborativa. Acreditamos que a era da comunicação acabou. Entramos na era da ação e a SeMexe veio para fazer parte disso. Agora é hora de Se Mexer ;)

Mais informações: https://www.semexe.com/

Facebook: @SeMexeBikes

Instagram: @se_mexe


Assessoria de Imprensa da SeMexe

Bike na Mídia

Andre Piva - (11) 982 420 488

andre@bikenamidia.com

Comentários

Nenhuma mensagem encontrada

Novo post